10 de junho de 2015

Temos vivido nossa vida para agradar a quem?




Se vivemos com o objetivo supremo de alcançar a aprovação dos outros, consequentemente vamos nos concentrar mais nas aparências externas do que na realidade interior. Sabemos que os homens, por mais inteligentes e astutos que sejam, realmente não podem discernir as profundezas que há em nós; eles têm que tirar conclusões baseados inteiramente no que fazemos ou dizemos. Portanto, se quisermos agradá-los, temos que concentrar todos os nossos esforços em nossa aparência externa, mantendo o estado íntimo do nosso coração em segredo. Por isso é que pessoas que vivem preocupadas principalmente em receber honra dos outros raramente gastam tempo em meditação, auto-análise e oração. Estão sempre com seus olhos voltados para os outros. O resultado é que nunca enfrentam a si mesmos. Estão sempre calculando e tentando determinar que efeito vão ter sobre os outros. Portanto, outras pessoas se tornam a sua consciência. O resultado disso é que sua própria consciência se atrofia e morre por falta de uso! O homem que está preocupado acima de tudo com suas aparições públicas diante dos outros em geral nunca se preocupa muito com sua atitude íntima diante de Deus. 
Martyn Lloyd-Jones.

A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as Riquezas Insondáveis de Cristo.(Efésios 3:8)
"Para poderdes, perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.” (Efésios 3:18,19)


Comentários
0 Comentários