KARDECISMO é ESPIRITISMO, mas NÃO É Cristianismo...entenda isso! - Espaço da Fé

Espaço da Fé

Uma mensagem de fé e esperança para sua vida.

6 de março de 2015

KARDECISMO é ESPIRITISMO, mas NÃO É Cristianismo...entenda isso!


Os amigos, por favor me perdoem, se de algum modo ajo com certa agressividade (dirão alguns!), ou de modo desrespeitoso (dirão outros!), mas a verdade é um fato e não uma questão de opinião. Como diz o título desta postagem: Kardecismo é espiritismo, mas NÃO É cristianismo.
Para iniciar esta explicação vou apelar, primeiramente para uma das mais famosas frases do escritor e teólogo, C.S.Lewis que diz: “Estou tentando impedir que alguém repita a rematada tolice dita por muitos a seu respeito: "Estou disposto a aceitar Jesus como um grande mestre da moral, mas não aceito a sua afirmação de ser Deus." Essa é a única coisa que não devemos dizer. Um homem que fosse somente um homem e dissesse as coisas que Jesus disse não seria um grande mestre da moral. Seria um lunático - no mesmo grau de alguém que pretendesse ser um ovo cozido — ou então o diabo em pessoa. Faça a sua escolha. Ou esse homem era, e é, o Filho de Deus, ou não passa de um louco ou coisa pior. Você pode querer calá-lo por ser um louco, pode cuspir nele e matá-lo como a um demônio; ou pode prosternar-se a seus pés e chamá-lo de Senhor e Deus. Mas que ninguém venha, com paternal condescendência, dizer que ele não passava de um grande mestre humano. Ele não nos deixou essa opção, e não quis deixá-la.”
Bastante agressivo, e segundo alguns, bastante imprudente no uso das palavras, mas compreendo que é uma boa forma de alertar aos que se referem a pessoa de nosso Senhor Jesus, nosso messias, Deus manifesto em carne e osso, como se fosse um mero “mestre”, um homem “iluminado”. Bobagem! ELE é a própria LUZ!
O Kardecismo ou Espiritismo Científico é um ramo do chamadoespiritualismo codificado, uma doutrina religiosa proposta por Allan Kardec, pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivail ( 1804-1869), escritor francês que discursa sobre a existência dos espíritos e seu relacionamento com as pessoas. O Kardecismo tem como base teológica a reencarnação e o ensinamento recebido dos espíritos.
Os Kardecistas se consideram cristãos, pois creem que seguem os ensinamentos do “Mestre Jesus”. Na ótica Kardecista Jesus é a mais evoluídaentidade que aqui esteve e que esta num nível espiritual superior ao nosso. Jesus teria vindo ate aqui para deixar sua doutrina de amor. Vale ressaltar que Alan Kardec deixou em suas Obras Póstumas um estudo sobre a natureza de Jesus, orientado para provar que Jesus não era Deus, mas sim alguém muito importante e especial, um espírito perfeito. Apesar de aceitar, certas passagens e trechos da Bíblia, tanto do Antigo como do Novo Testamento como tendo sido inspirados por Deus e que neles tem-se a revelação de sua palavra, de sua vontade e de sua própria pessoa. Kardec limita-se, com freqüência, a mostrar o que ele considera absurdos e contradições da Bíblia. Hippolyte refere-se a Deus em alguns momentos de forma coincidente com o Deus da Bíblia, mas geralmente fala de Deus como um fluído universal. O credo espírita desconhece a Triunidade de Deus.
O kardecismo é de certo modo, fruto do pensamento Iluminista que ocorria na Europa (Séc XIX) no campo das artes e da ciência e Hippolyte, provavelmente teria se valido da oportunidade para obter notoriedade perante seus amigos e cientistas da época.
O Espiritismo Kardecista tem como base a reencarnação, a consulta aos mortos e prega que a salvação virá através (unicamente!) das ações de caridade.
Novamente, peço desculpas, desta vez por me alongar nas explicações sobre o que vem a ser este credo, que a tantos tem enganado e confundido.
Permita-me começar esta contestação pelo absurdo entendimento de que a prática de boas obras é o mecanismo de salvação, cito: Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”(Efésios 2:8) e algumas outras referências Bíblicas que combatem tal doutrina: Romanos 6.23; João 3:16; 2 Coríntios 5:21.
Outro ponto bastante óbvio a qualquer cidadão é que se ciclos de encarnação-desencarnação elevassem os espíritos a estados superiores, purificando-os ainda mais, porque então não percebemos as consequências dessa doutrina nas manchetes dos jornais e nas newsletters da web? Vivemos uma grande crise moral global e não uma revolução pela lei divina do progresso. Involuímos?
Outro ponto crucial que atesta o Kardecismo como uma seita herética é o fato de que não reconhecem a Bíblia como autoridade de fé ou doutrina. Para os cristãos é pura blasfêmia o fato de colocar as revelações contraditórias do espiritismo no mesmo nível da infalível Palavra de Deus. Temos evidências suficientes para depender somente da Revelação Bíblica na própria Bíblia. (2 Pedro 1:19-21; 1 Timóteo 4:1,2; 2 Tessalonicenses 2:3,4; Judas v.3,4; 2 Timóteo 3:5)
Não vou me alongar muito, acho que já defendi um pouco do que estou tentando dizer, mas agora vamos ao cerne da questão: Porque o Kardecismo não é Cristão?
Comecemos pela definição do termo. O Dicionário define um Cristão como: “uma pessoa que professa a crença em Jesus Cristo ou na religião baseada nos ensinamentos de Jesus”, outrossim é bom lembrar que “Cristão” quer dizer: pequeno Cristo, numa alusão aos que revelavam a pessoa de Cristo em suas vidas. Também ressalto que Cristo é o mesmo que Messias, ou salvador.
A essência do Evangelho é a salvação por meio de Jesus Cristo (Efésios 1:17). Mas nem esta verdade tão central entra no credo espírita de Kardec. Segundo ele, cada um deve ser o seu próprio redentor por meio do sistema de reencarnação. A salvação, segundo os espíritas, é deslocada de Jesus para o próprio homem.
Um verdadeiro Cristão é alguém que colocou a sua fé e confiança na pessoa de Jesus Cristo e no fato de que Ele morreu na cruz como pagamento por nossos pecados e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos para obter vitória sobre a morte e dar vida eterna a todos os que Nele creem. João 1:12 nos diz: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome.” Um verdadeiro Cristão é de fato um filho de Deus, uma parte da verdadeira família de Deus, e alguém que recebeu vida nova em Cristo Jesus.
Antes de encerrar quero chamar MUITO a atenção para o fato de que é impossível ser cristão e negar o fato de que JESUS é DEUS, manifesto homem e que este mesmo DEUS é o PAI e o ESPÍRITO SANTO.
Novo Testamento não expõe as pessoas da Triunidade apenas de forma isolada. Ele os une em várias afirmações fortes e gloriosas em que o Pai, o Filho e o Espírito são apresentados em pé de igualdade, mas com distinção (Mt 28.19Mt 3.16-17Jo 14.262Co 13.14).
A Bíblia diz que os três possuem a mesma virtude, exercem os mesmos poderes e são igualmente divinos e eternos. “Quanto mais o sangue deCristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?” (Hebreus 9:14).
Também diz que Deus-Pai não veio morrer na cruz do calvário, mas que enviou Jesus, seu Filho, o qual a Bíblia declara ser Ele também Deus (1 Timóteo 3:13-16).  Por outro lado, Jesus declarou que nada do que diz, tem ou faz, é de si mesmo, mas sim de Deus-Pai que lhe enviou (João 5:19-23,30). Este Filho também declarou que tudo o que tem o Pai é d´Ele, e, ao mesmo tempo, ensinou que Ele não é o Pai (João 14:8-10; João 16:15).
Também esta na palavra que não é o Pai nem Filho, que convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo, mas sim o Espírito Santo (João 16:8). O próprio filho se encarrega de confirmar Sua identidade com o Espírito Santo, ao dizer: “Um pouco, e não mais me vereis; outra vez um pouco, e ver-me-eis" (João 16:16 João 14:28).
Disse-nos Jesus: Se me amais, guardai os meus mandamentos. (João 14:15)
Meu amigo, minha amiga não se deixe enganar, o espiritismo não pode de fato ser cristão, pois o que caracteriza a pessoa, a espiritualidade e a religião como cristã não é a simples referência a Jesus Cristo, mas o real reconhecimento de Jesus como o Cristo (enviado, ungido, messias) de Deus. Se alguém não crê que Jesus é o Filho de Deus, que é quem tem o poder de perdoar pecados e salvar as pessoas, escrevendo, inclusive, no livro da Vida, não pode designar-se cristão. A fé cristã é mais radical ainda: é a fé na pessoa de Jesus como Filho de Deus. E o livro sagrado para a fé cristã chama-se Bíblia, com o Antigo e o Novo Testamento em sua totalidade.

Ney Bellas


Nenhum comentário: