A História de um grande Rei que se vestiu de miserável. - Espaço da Fé

Espaço da Fé

Uma mensagem de fé e esperança para sua vida.

11 de fevereiro de 2015

A História de um grande Rei que se vestiu de miserável.



 Havia um grande rei numa terra muito distante. Era o mais poderoso rei de que já se teve notícia. Seus territórios eram imensos. Seus poder superava o sonho de todos os poderosos. Seu exército tinha milhares de oficiais e hostes incontáveis de soldados.
Era grande em poder e imensurável em sabedoria. Os pensadores prostravam-se aos seus pés e bebiam da sua inteligência. Sua eloquência beirava o inacreditável. Todos os oradores do mundo ficavam perplexos ao ouvi-lo. Suas palavras soavam como notas musicais que resgatavam o ânimo e reanimavam o espírito. Sua bondade era bela como as mais agradável melodia.
Tinha milhares de serviçais, mas dava atenção a todos como se eles fossem reis. Tinha milhões de súditos, mas tratava cada um deles como aos seus mais graduados oficiais. Os pequenos do seu reino eram honrados como sábios. Diferente de todos os poderosos do mundo, almejava o coração dos seus súditos e não a servidão. Por isso, era profundamente amado.
Por onde passava, ele era aplaudido. Tinha milhares de músicos espalhados pelos seus palácios. Todos de prontidão para agradecer-lhe pela sua generosidade, todos postos para louvá-lo.
O rei era tão rico e tão bondoso que não cobrava imposto do seu povo, ao contrário, freqüentemente o supria com abundância de alimentos. Sua amabilidade chegava ao impensável, ele dava plena liberdade aos milhões de súditos que o serviam em seus palácios e todos os homens do seu povo para servi-lo ou abandoná-lo.
Nos seus imensos palácios não havia problema. Os seus oficiais, ministros, exércitos e serviçais desfrutavam de plena fartura. Mas os homens desprezaram o caminho da sabedoria, esmagaram a solidariedade, pisaram no amor, trucidaram o respeito mútuo e golpearam a liberdade. A tristeza e a miséria brotaram naqueles solos.
O rei entristeceu-se profundamente, pois os amava como se eles fossem a continuação do seu ser. Enviou inúmeros sábios para corrigir-lhes as veredas, mas eles pareciam incorrigíveis. Todos que assistiam o grande rei perceberam seu abatimento. Estavam preocupados, pois isso nunca tinha acontecido.
Seus ministros chamaram os cantores que lhe fizeram grandes recitais, mas nada o animava. Seus sábios reuniram-se para elogiar sua espetacular inteligência, mas nenhum elogio o satisfazia. Seus oficiais reuniram-se para falar da sua grandeza, mas nenhuma honra trazia-lhe alento. houve angústia em todo seu reino pela tristeza do rei. Eles o amavam profundamente, mas não sabiam como acender as chamas da sua alegria. Os mais íntimos fizeram uma reunião e perguntaram-lhe:
''Por que estás tão triste?''. E ele disse: ''Como posso me alegrar tendo consciência de que a dor fez morada nos humildes das minhas terras? Quero saber o que se passa nos becos de suas vidas, no recônditos de suas emoções''.
Disseram-lhe:'' Sabemos que tu amas muito os homens do povo, mas tu tens todas notícias sobre a vida de cada um deles e além disso, eles são arrogantes e erram diariamente''.
''O amor que sinto por eles não me faz descansar. Eu sei o que eles passam, mas não sinto o que eles sentem, e tudo o que tenho feito não consegue despertá-los'', disse o sábio e afetivo rei. E completou:''Quero sentir a dor de cada criança, a angústia de cada mãe, a aflição de cada miserável''.
Receosos, perguntaram-lhe:''Como poderás fazer isso?''.
''Abandonarei meu palácio e me tornarei como um deles. Sairei de madrugada com a pior veste, farei uma longa caminhada e sem que eles percebam penetrarei nas suas casas, comerei da sua comida, alegrar-me-ei com suas alegrias e chorarei com as suas lágrimas''.
Indagaram:''Grandioso rei, tu deixarás teus milhões de súditos, tua glória imarcescível e todo o conforto que toda a tua grandeza te proporciona?''.
Ele reafirmou:''Sim. Nada me satisfaz se não souber como aliviar a miséria do meu povo''.
Perturbados, perguntaram: ''Quantas legiões de exércitos queres que te acompanhem?''.
''Nenhuma. Irei só'' disse o rei.''Mas não é lógico'',retrucaram. ''Eu sei, o amor nunca é lógico'' afirmou.
Ainda arriscaram fazer uma última observação: ''Sabemos o quanto és bom e que vais até as últimas consequências para resgatar quem tu amas, mas poderão confundir-te com um miserável, com um mendigo, com um criminoso, com um salteador. Poderão desprezar-te, humilhar-te, prender-te e atentar contra a tua vida. Talvez te chamem de louco e de herético, apesar de esconderes todos os tesouros da sabedoria''.
O rei fitou-os e disse: ''Eu sei tudo o que pode me acontecer, mas lhes dou uma ordem: ainda que me firam, me maltratem, me considerem o mais vil dos homens, arranquem-me as lágrimas e a vida, nunca intervenham. Quero mapear os meandros da alma do homem, quero compreendê-lo de maneira completa e atrair a mim todos que puder. Espero que vocês entendam, preciso ir''.
Não entenderam. Apesar de refrescarem-se diariamente com seu amor, não compreendiam a dimensão de sua fonte. Comovidos, dele se despediram.
Solitário, o rei entrava na casa de todas as pessoas. Entrava na casa dos miseráveis e os consolava. Aos desprezados, gastava horas falando-lhes sobre o milagre da vida. Atava as feridas dos moribundos. Chorava as lágrimas dos pais que perdiam seus filhos.Satisfazia-se com o contentamento dos seus amigos. Gostava de participar de festas. Almoçava e jantava na casa de todas as pessoas. Era tão gentil e sociável que tinha coragem de se convidar para jantar. Todos queriam ser seus amigos. Alguns, querendo protegê-lo, afastavam-no da multidão. Mas ele furava o esquema e abria continuamente e agenda da sua emoção.
Queria ser amado e não temido. Por isso, não revelava claramente sua identidade. Gostava de esconder sua grandeza, procurava o amor despretensioso. Alguns colocavam-no nos céus, outros inclinavam o peito sobre ele e achavam-no tão simples e humano. Suas palavras ardiam no coração e ensinavam às pessoas a se amar e a se respeitar.
Falava em público com uma segurança e uma eloquência jamais vistas. Ele se vestia como miserável, mas discursava como o príncipe da sabedoria. O cheiro de gente perfumava suas narinas, gostava de se misturar com todos e criticava a arrogância dos maiorais. Então, começou a ter problemas.
Alguns, observando as fagulhas do seu poder, queriam fazer dele um líder político. Mal sabiam o poder que ele desprezou. Outros queriam fazer dele Deus, mas ele insistia em ser reconhecido como um homem. Apreciava ser chamado de ''filho do homem''. Almejou ter todo as as experiências que os miseráveis viviam. Permitiu que a fome, a miséria, o desprezo, a humilhação, as feridas, a insônia, a angústia batessem nas portas de sua vida. Deixou tudo o que tinha para ter tão pouco, mas fez do pouco, muito, Desse modo, aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação. Nunca alguém tão grande se tornou tão pequeno para ensinar os pequenos a ser grandes.
Seu olhar era penetrante. Havia uma fonte de sensibilidade por detrás da menina dos seus olhos. Conseguia ser grande nas coisas pequenas. Gostava de contar histórias. Contava milhares delas. Através delas estimulava os homens a pensar, a mudar seus conceitos e a rever a sua maneira de ver a vida.
Como era o mais rico dos seres, embora escondido na pele de um miserável, nada exterior o seduzia. A riqueza, o poder e as vestes dos maiorais do povo eram bens miseráveis se comparados aos bens dos seus humildes servos no seu reino. O poder que os graduados possuíam não se comparava ao poder dos seus menores oficiais. por isso ninguém entendia por que a glória humana não o atraía. O rei queria reinar no coração humano. Por amar o homem incondicionalmente, qualquer um era candidato a invadir sua intimidade. Fez dos abandonados seus companheiros e dos desfavorecidos seus discípulos.
O desprezo pelo poder, sua oposição à arrogância humana e seu envolvimento com pessoas vis geraram ódio nos poderosos da sociedade e nos guardiões da moralidade. O rei chorou, não por medo, mas pela dureza do coração humano. Acolhendo os homens, conquistou ardentes inimigos. Acharam-no um impostor e da sua linhagem real ninguém cogitou.

Ele foi amado profundamente e rejeitado drasticamente. Planejaram tirar-lhe a vida. Como ele queria viver tudo o que os homens viviam, ele se deixou prender, ser torturado, ferido, cuspido, retalhado com açoites. Fizeram com ele tudo o que não se deveria fazer com o mais vil criminoso. Mas o rei não abriu a boca. Foi gentil com os violentos e paciente com os arrogantes. Por fim compreendeu como ninguém os recantos da inteligência humana, as vielas da emoção e os fundamentos dos pensamentos.
(Texto extraído do livro Treinando a emoção para ser feliz - Augusto Cury)
Fonte: AQUI

Nenhum comentário: