29 de janeiro de 2014

O desespero dos fariseus

Os fariseus, ferrenhos perseguidores do Senhor Jesus, sempre eram pegos sem defesa quando tentavam envergonhá-Lo segundo a própria lei deles. Sendo mestres da lei, era impossível acreditar que um jovem galileu, de origem pobre, pudesse ter maior inspiração que eles a ponto de contestá-los.

O ápice do desespero se tornava evidente quando os fariseus O acusava de estar possuído por demônios. Na cabeça deles, aquilo que contrariasse as suas leis só podia ser coisa do diabo.

Nos evangelhos podemos encontrar vários trechos em que essa situação acontece. No capítulo 8 do evangelho de João, por duas vezes os judeus declaram que Jesus tem demônios.

Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus. Responderam, pois, os judeus, e disseram-lhe: Não dizemos nós bem que és samaritano, e que tens demônio? Jesus respondeu: Eu não tenho demônio, antes honro a meu Pai, e vós me desonrais. Eu não busco a minha glória; há quem a busque, e julgue. João 8:47-50


Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte. Disseram-lhe, pois, os judeus: Agora conhecemos que tens demônio. Morreu Abraão e os profetas; e tu dizes: Se alguém guardar a minha palavra, nunca provará a morte. João 8:51-52

Por desconhecerem as Escrituras e o poder de Deus, os fariseus achavam muito melhor dizer que Ele estava possuído. Parece contraste, mas apesar de conhecerem as letras da lei e supostamente as Escrituras, os fariseus não conseguiam acreditar no Salvador. Por isso Jesus disse:

Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; E não quereis vir a mim para terdes vida. João 5:39-40

Prova de que Jesus impressionava os doutores da lei, vemos no próprio evangelho de João:

Mas, no meio da festa subiu Jesus ao templo, e ensinava. E os judeus maravilhavam-se, dizendo: Como sabe este letras, não as tendo aprendido? Jesus lhes respondeu, e disse: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo. Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça. Não vos deu Moisés a lei? e nenhum de vós observa a lei. Por que procurais matar-me? A multidão respondeu, e disse: Tens demônio; quem procura matar-te? João 7:14-20


A questão toda é essa: Examinar as Escrituras.


Dúvidas, sugestões, orientações: jesusmar@guardiaodafe.com



Empregado Público Federal, adoro escrever e faço isso em três blogs de minha autoria e edição.

Comentários
0 Comentários